ANALISANDO OS CLÁSSICOS DO BOXE

 

LENNOX LEWIS VS MIKE TYSON - 2002

 

 

 

por Victor Violi

 

Dezembro de 2018

conteúdo protegido por direitos autorais

 

 

 

Tyson_Lewis01.jpg

 

Lennox Lewis vs Mike Tyson foi a luta mais esperada do ano de 2002.

Um clássico entre dois membros do Hall da Fama do Boxe e que, apesar de ter acontecido tarde na carreira de ambos, foi um combate que ficou na história sendo discutido até os dias atuais. 

 

 

Olhando hoje, pode parecer que era fácil escolher Lewis como o vencedor, mas havia na época muita gente que acreditava que Tyson poderia fazer frente à um Lennox que 1 ano antes havia sido nocauteado por Hasim Rahman.

 

A luta foi cercada de uma expectativa mundial (com transmissão para o Brasil em TV aberta pela Bandeirantes) e mais ainda quando em uma entrevista de imprensa Tyson e Lewis brigaram na frente das câmeras, socos foram trocados e Tyson mordeu a perna de Lewis.

 

 

 

A PARTE MENTAL

 

Muitos anos depois da luta, Emanuel Steward deu uma entrevista para o jornalista Doved Linder e disse:

 

"Quando Lennox lutou contra Tyson eu disse à ele: no primeiro round nós vamos brigar com ele, fazer uma briga e fazê-lo te respeitar."


Evander Holyfield tinha mostrado o caminho pra todos os futuros adversários de Tyson. Tyson era, de acordo com quem conviveu com ele (Teddy Atlas), um lutador mentalmente muito instável, e perdia a concentração e o controle facilmente, se o adversário não demonstrasse medo.
 

E Lewis seguiu o que Steward disse:
 

Lewis ataca Tyson ferozmente nos primeiros segundos da luta.

no primeiro round era importante que Lewis assumisse uma postura dominante no ringue, sem medo, e agredisse Tyson.

 

Lewis não perdia a oportunidade de mostrar pra Tyson que ele era forte fisicamente.

Os vários empurrões são também uma tentativa de demonstrar dominância física, mostrar pra Tyson que ele era maior.

 

O que não significa que LEwis era bobo, e sim ele clinchava assim como Holyfield anos antes.

Mas os clinches também tem um fator psicológico contido. Na transmissão da HBO George Foreman nota que Tyson começa já no primeiro round a olhar pro juiz em busca de ajuda.

 

Tyson vencia esse round na papeleta da maioria (por ter acertado um belo gancho de esquerda), mas ia pro corner sem a mesma aura do valentão que havia brigado na pesagem e intimidado à todos na platéia.
 

 

Contragolpes


Outro fator principal foram os contragolpes.


Lewis não era conhecido por isso, mas como todo grande boxeador, possuia ótimos contragolpes e usava quando era necessário.

 

Lewis era bom ao dar pequenos passos pra trás e voltar com um contragolpe.

Considerando isso, outra estratégia era contragolpear Mike

Um Mike Tyson naquela época já mais lento e, agora, muito irritado, ia partir pra cima cada vez com menos cuidado. 

 

Lewis incitava Tyson a ir pra cima dele, se inclinava como uma isca para Tyson ir para frente.

Mas o principal contragolpe a ser usado era com o uppercut de direita.

 

No córner é possível ouvir Emanuel Steward falando pra Lewis seguir o plano dos contragolpes com o upper.

 

Tyson sempre foi vulnerável a uppercuts. O seu estilo dava ao adversário chances de pegá-lo com um upper quando Mike esquivava andando pra frente e posicionava a cabeça centralmente.

 

Veja Tyson ainda no Boxe amador

No profissional nada mudou. No amador, auge, pós-auge, Tyson partia pra cima com a cabeça na mira de um upper do adversário.

 

E sabedor disso, Lewis não negligenciou os uppercuts, usando-os do início ao fim da luta.

Veja:

Jabs, Esquivas, erros e acertos..... 

 

 

Lewis sempre foi um boxeador que gostou de usar o jab para manter a luta na longa distância pois geralmente era mais alto que seu adversário. Todos que o acompanharam sabem disso.
Mas não era apenas a envergadura que fazia de Lewis um ótimo "jabeador". E não era um jab simples e qualquer.
Lewis possuia um modo distinto de desferir o jab.

 

Ele mantinha a mão bem à frente, para que o jab ficasse ainda mais rápido em chegar ao alvo, assim como o adversário teria menos tempo pra reagir e se defender do golpe.

 

 

O jab de LEwis era como a espada de um esgrimista. PReste atenção só na mão esquerda de LEwis e como ela está bem à frente.

Mas se não acredita em mim, o próprio Lewis explica.. e explica pro atual campeão dos Pesados Deontay Wilder. (a tradução foi feita por mim) fonte: fighthype

Em outras palavras, era um jab mais difícil de se ver chegando, o oponente tem menos tempo pra se esquivar.

Se você ver as lutas de LEwis também pode dizer que ele mantinha a esquerda baixa.

Muitos boxeadores com um bom jab fazem isso, segundo eles isto faz com que o jab saia mais imprevisível, já que a sua mão esquerda não fica no raio de visão do adversário, ela vem de surpresa, de baixo.

 

E isso, geralmente, não afetava a defesa de LEwis pois ele estava sempre pronto para defender as direitas do adversário com um leve giro de ombro (além de levantar o braço como um escudo também).

 

Uma imagem vale mais que qualquer palavra.

 

Tyson vê LEwis com as mãos totalmente baixas.. e ataca com uma direita mirando na cabeça de LEwis, Lewis só gira o ombro e estica o braço..

 

A guarda de Lewis para defender as direitas era seu ombro.

 

 

Pois bem, mas voltando ao jab.... que por si só, seria um problema pra Tyson.
E foi.

 

Mas Tyson se defendia bem de jabs.

 

 

Obviamente, havia em Lewis uma envergadura, e uma técnica muito mais apurada de jabear que os adversários anteriores de Mike, por razões inclusive já explicadas acima.

 

Mas acredito que Tyson se evadia melhor de jabs quando flexionava os joelhos e se tornava um alvo menor e mais baixo!


Ele se esquivava e se defendia, melhor, quando usava mais a flexão dos joelhos, com o corpo todo movimentado-se, não só o tronco para os lados, e principalmente não para o lado esquerdo, por dentro do jab.

 

Muitos treinadores dizem que, após um jab do adversário, você nunca deve mover sua cabeça para a esquerda, por dentro do jab, já que assim será um alvo fácil para uma direita do adversário.

 

Em Tyson vs Berbick, Mike usou e abusou das esquivas para fora do jab (e assim contragolpeava Berbick com sua direita, ao mesmo tempo que não estava vulnerável à um uppercut e a uma direita).

 

 

* Tyson se torna um alvo menor, e não esquiva por dentro.. e aqui ele não agacha para o centro (perceba que ele está fora de um upper de direita de Berbick, Berbick dificilmente o alcançaria com um uppercut).

 

E Tyson está mais longe da direita, Berbick teria que golpear pra baixo (e se posicionar um pouco melhor) para pegá-lo com uma direita.. além disso, Tyson está em posição para completar a transição da defesa para o ataque com seu contragolpe.

 

Veja novamente no gif abaixo.

 

Porém, muitas vezes, Tyson fazia diferente disso (mesmo no auge).

 

Tyson também se movia por dentro do jab, e movia somente o tronco, sem dar essa pequena "agachadinha". 

 

Ele acabava, por essa razões, de vez em quando, ficando bastante exposto à uma direita. 

 

Perceba como ele vai em direção à golpes de direita e seus adversários o erram, por pouco.

 

neste último lance, se Biggs tivesse desferido um reto de direita provavelmente teria acertado Tyson.

foto Tyson esquivando pra dentro na reta de direita de Biggs.jpg

Biggs soltou um jab e Tyson se moveu para a mesma direção que a direita de Biggs. Sem agachar, ficando na mesma altura e no caminho da direita de Biggs.

Biggs e Tucker usados de exemplos nos gifs não souberam aproveitar estas oportunidades.

Na luta contra Lewis.. Após os contragolpes de uppercuts ficarem um tanto manjados (após o terceiro round) Tyson passou a atacar menos e a usar mais dessas esquivas laterais.

 

Esquivando, quase que sempre, para o seu lado esquerdo, após o jab de Lennox.

 

TIMING

 

Infelizmente não temos, no linguajar do boxe um termo aportuguesado para falar timing. O termo "tempo" não explica tudo o que timing quer dizer no Boxe. Seria o tempo de reação , é o "tempo de bola" do cabeceador no futebol.

 

Essas lutas de Boxe de alto nível são decididas em meros detalhes, que só um lutador muito capaz consegue explorar.

 

Mas primeiro, devo repetir o que se fala no texto A Arte do Ataque Inteligente - técnicas ofensivas, sobre o tão importante recurso da FINTA:

 

"E você pode fingir um golpe para descobrir qual tipo de defesa ele vai usar contra aquele golpe em particular."

Jack DEmpsey, Championship Boxing

 

A finta serve muito bem pra você marcar os padrões do que o seu adversário faz, e assim preparar o próximo ataque já sabendo o que ele vai fazer.

Novamente, um GIF vale mais que qualquer palavra.

Lewis finta um jab e Tyson cai em direção da direita de Lewis.

Lewis Tyson cabeça na mira do LEWIS paint.jpg

Lewis viu, cara a cara, que Tyson, após levar uma série de uppercuts, passou a mover o tronco e a cabeça para a esquerda após o jab, ficando na reta da direita. 

 

Agora era uma questão de Lewis marcar o tempo do movimento de Tyson pra acertá-lo em cheio com uma direita.

 

 

No golpe derradeiro Lewis solta um jab apenas para marcar a distância e fazer Tyson reagir, e Mike pende a cabeça para esquerda e vai DE ENCONTRO com a direita que LEwis tanto tentou acertar.

 

Lewis sabia onde o queixo de Tyson estaria. Ele calculou corretamente e acertou com precisão um grande golpe.

 

Se Tyson tivesse dado uma leve agachada, ou não tivesse movido a cabeça para a esquerda, o golpe de Lewis passaria no vazio ou não teria tanto impacto. 

 

A verdade é que em 2002, e naquela altura da luta, Tyson não tinha mais pernas pra usar de outros tipos de defesa, flexionar joelhos, e não tinha mais a concentração necessária para perceber esses riscos, e recorria a uma esquiva mais preguiçosa.

 

Em resumo, Lewis venceu Tyson psicologicamente, contragolpeou, e por fim marcou o tempo da esquiva de Tyson e precisamente acertou a direita em cheio para conquistar um nocaute (após uma série de jabs que vinham machucando Tyson a luta toda) que o consagrou e acabou sendo uma das maiores vitórias de sua carreira.

 

os gifs e vídeos são todos de minha autoria